sábado, 16 de dezembro de 2017

Herança espiritual - Herança genética

Tudo que era visto de uma forma passa a ser visto de outra. Isso ocorre para algumas pessoas no decorrer de sua vida. Mas entre uma (forma) e outra as diferenças, apesar de saltar aos sentidos e à mente, se reduzem a uma identidade substancial que logo é desmascarada pelo ser mais consciente, isto é, aquele que está em busca, num dinamismo indescritível que tensiona sua psique e seu organismo aos limites. Aquele que atingiu a sapiência (de verdade) percebe isso claramente, sendo desnecessário o ato de discernir - sua natureza já nota. 

Quando tudo que era visto de uma ou várias formas passa a ser visto não mais a partir de uma forma, e sim em seu aspecto substancial, a personalidade passa a demonstrar um dinamismo fora do comum, cujos efeitos devem ser encobertos a título do ser não ser ridicularizado pelo que passa a sentir de forma intensa. A concepção da vida muda completamente, tornando a pessoa livre de uma série de prisões conceptuais que outrora lhe demandavam tempo, energia, recursos e emoções. Uma miríade de disposição começa a deixar de vazar para os incontáveis turbilhões do mundo, que nascem, crescem e morrem, atraindo bilhões de almas, convidando-as a participar de um torvelinho de desespero, com prazo de validade. Um torvelinho atraente e ilusório em seu nascimento - fatigante e doloroso em seu término. E assim vidas se consomem. Vidas saltitantes e desesperadas. Vidas ocupadíssimas e preocupadíssimas. Vidas fragmentadas, constituídas por momentos fragmentados; por relações fragmentadas; por pensamentos fragmentados; por direitos e deveres fragmentados; por amor fragmentado...Uma vida que não é una, e sim múltipla. Uma vida constituída de multiplicidades que se enganam e se combatem em busca de uma supremacia sem sentido porque carente de humildade. Isso é o que aguarda o intelecto se este assim o desejar. Sua caminhada será limitada e cada vez mais triste, tendo como prioridade a satisfação dos instintos e somente isso. Enquanto isso outro plano já é sentido por alguns...

Dificilmente releio ou confiro um texto. Não estou produzindo edições elaboradas, com o intuito de envernizar o ambiente virtual ou destacar a imagem pessoal. Tampouco planeja sobre o quê e quando vou transmitir uma ideia que surge. O ímpeto martela certo dia - qualquer um. O tema pode vir a partir de uma observação, um desenvolver de ideias, um sentimento de desespero, uma constatação do passado que ressurge com ímpeto vulcânico porque se acasalou com outro acontecimento que o complementa. E assim gera-se sempre algo diverso. Uma repetição em vários aspectos, podem afirmar. Mas um repetir a partir de outro enfoque, ou ponto de vista. Um repetir em que o mesmo tema tratado como linha diretora passa a adquirir aspecto secundário, de apoio. Assim ocorre a progressão. Contínua, explosiva e cada vez mais funda no conceito. 

As vibrações características de cada estado psíquico-espiritual.
As ondas iniciam de forma quebrada, abrupta, caótica (Tama);
Passam a ser ordenadas e frequentes (Raja);
Chegam a períodos maiores e ficam menos intensas exteriormente (Sattva).
E no final, devemos nos livrar das três.
As férias surgem junto ao recesso escolar. São 45 dias estendidos ao longo de dias quentes de verão. O mundo descansa, se diverte, comemora. Reclama mas o faz por cultura de repetição. Chora as perdas por não conceber que nada se perde de fato. Se alegra por aquisições inúteis, em larga medida-  ou não tão úteis quanto se imagina. Planeja e re-planeja. Mas tudo programado se desvia ao longo da linha do tempo, se desviando por circunstâncias imprevisíveis, que exercem influência gravitacional forte. Dessa forma a vida caminha para o grosso da humanidade. 

45 dias totalmente livre de (muitas, mas não todas) obrigações do mundo representam 45 oportunidades para progredir interiormente. Tempo para voltar para si mesmo, buscando compreender o fenômeno evolutivo que nos arrasta a todos, cedo ou tarde, tenhamos ou não consciência dele. Tudo que é planejado não sai conforme esquematizado pelo simples fato de que quando fizemos nossos planos éramos uma pessoa. Hoje somos outra. E amanhã seremos ainda outra pessoa. Isto é, o decorrer do tempo traz consigo o desenvolvimento da personalidade. Para o tipo normal, de nível médio, que se sente relativamente confortável com a forma de vida que o mundo lhes apresenta, esse desenvolvimento é lento. Pode levar anos ou décadas para se superar um determinado aspecto. Mas ainda assim ocorre. Para o tipo anormal há dois casos: o infra-normal, no estágio tamásico [1], que não se planeja porque para o mesmo inexiste prazos maiores do que suas necessidades instintivas podem capturar (fome e sexo); e o supra-normal, que atingiu o nível sáttvico [2], e orienta a vida de forma diversa da média, se preocupando com qualidades mais do que quantidades. Esse é o tipo evoluído, antecipação biológica que o futuro reserva à humanidade. Quem não se preparar em fincar suas raízes no terreno do espírito será arrastado pelo furacão divino - a Lei - impiedosamente, levando todas as ilusões do mundo ao lugar que lhes é característico. Poucos ainda compreendem esses ditos. Para a imensa maioria, trata-se de divagações que visam mostrar um verniz cultural. Ou uma mera distração do autor, que senta diante da máquina por hobby - um momento agradável. Nem sequer se imagina quais as forças (e seu poder) que levam a despejar conceitos em formas de palavras. 

As próximas semanas começam a correr. Divide-se o tempo entre as obrigações do mundo, seja na forma de atividades cotidianas, lazer ou pesquisa (de doutorado), e as obrigações perante as leis da vida (evolução). Conquanto esta última devesse demandar todas as forças, o não cumprimento das outras pode trazer consequências terríveis. Dessa forma deve-se balancear. A Baghavad Gita esclarece que, por mais nobres e bem intencionadas sejam as ações do mundo (materiais), é a evolução (espírito) o cerne de toda vida. Logo, fazer o ético é condição necessária mas não suficiente. Devemos buscar a ascensão na verticalidade mística. Apenas quando a consciência for expandida teremos domínio sobre nossas vidas. Sem isso não passamos de marionetes. Pobres títeres nas mãos de nossos sentidos, de nossas mentes - e de outros indivíduos ou grupos. 

Todos temos as três gunas. Conforme nossa evolução, uma
possui mais influencia do que as outras. A finalidade é chegar
ao estágio em que Sattva domina Rajas que domina Tamas.
Logos guia Lúcifer.
Quando dispomos de sossego podemos iniciar trabalhos de envergadura inimaginável. Pela manhã li e refleti um pouco sobre Problemas do Futuro [3]. Relembrei os tempos turbulentos, quando me encontrava imerso em ambiente alienante e alienador, com todas as garantias da matéria (que nada vale) e todo desespero do espírito (que tudo significa). A primeira passagem por trechos que a alma ansiava compreender melhor. Ver através de palavras. Sentir através de harmonias prensadas no papel que a vida tem sim, um sentido muito superior àquele apontado pela sociedade e pelas instituições. Um sentido supremo, capaz de inspirar o mais miserável, o mais inerme, o mais pisado, o mais agredido, o mais desesperançoso. Um sentido tão potente que rasga a alma e a leva a forjar uma trajetória de desespero e esforço. Uma luta contínua. Uma busca progressiva pela compreensão dos porquês - e pela solução dos mesmos. Um sangrar e um ousar. Uma corrida que se torna cada vez mais veloz - e mais dolorosa, na mesma medida. Uma corrida que nos deixa cada vez mais apartado das adjacências - e mais próximos a uma fonte. Para quem chega ao limite, esse correr se torna vôo. Não físico. Nem mental. Vôo conceptual, do espírito. A Terra toca o Céu. O Céu toca a Terra. E instantaneamente aciona-se um jogo de engrenagens poderosíssimas, cuja dança é tão suave que as forças do mundo, com seu aparato midiático-jurídico-psicológico-econômico, não se sentem guiadas por esse supremo jogo de engrenagens do imponderável. Estamos na fronteira. No campo no qual as palavras se tornam impotentes para descrever tamanhas conquistas. Chega-se ao limite da racionalidade. Isso é conhecer profundamente a obra de Pietro Ubaldi. 

Ubaldi é classificado conforme o relativo que o "enquadra". Para uns ele é espírita; para outros um idiota; para outros um escritor; para outros um louco; para outros ainda um gênio; e por ai vai. Descrições inúmeras para descrever um fenômeno que não pode ser descrito. A descrição é algo estático. A ascese mística é algo dinâmico. Muitos o confundem por seguirem rumores ou fazerem leituras superficiais. Mas algumas palavras do professor da Umbria podem abrir algumas fendas:

"A finalidade da vida do autor, como acima ficou dito, não é de nenhuma maneira o estudo dos fenômenos mediúnicos, e o espiritismo lhe interessa relativamente. Sua vida é missão, e seu escopo não é a experimentação espiritista, mas sim a evangélica; não é a indagação do além-túmulo, mas a ascensão espiritual. O grande problema é a conquista da felicidade, e o que transforma tudo em nós, para o bem e a alegria, não é o além-túmulo, mas sim a evolução, a catarse da vida, elevando-nos do plano animal humano ao super-humano. O que importa é a sublimação, sem o que tudo permanece cego, inferior, doloroso, seja aqui ou acolá. E o mediunismo de efeitos físicos ocupa-se bem pouco da sublimação; visa problemas particulares, realmente secundários em relação ao problema de apresentar, na atual e tremenda hora histórica, cada vez melhor contribuição para a salvação do mundo." [3] (grifos meus)

8º livro de Ubaldi. Solução dos
últimos problemas científicos,
 psicológicos e filosóficos. 
Independentemente das circunstâncias, registra-se o que se vive. Vive-se o Evangelho.

"Ainda que haja sofrimento, é preciso escrever; extenuado ou doente, mesmo assim é preciso escrever. Pode faltar de tudo, mas escreve-se; se os interesses materiais estão a caminho da derrocada e os involuídos roubam tudo não importa, escreve-se; se a casa cai e o mundo explode ou está perto do fim não importa, escreve-se até ao último suspiro. É necessária uma vida concentrada toda em um ponto: registrar esse pensamento que nasce dentro de clarões, de turbilhões, como um furacão que grita, canta, arrebata e atordoa. Registrar tudo, nos mínimos detalhes, quer na potencialidade como na doçura, seja como conceito seja como paixão. Abandonando-se ao irresistível, deve-se muitas vezes exprimir o inexprimível, sem, contudo, deixar de permanecer na forma." [3] (grifos meus)

E a sensação do leitor, ávido por uma finalidade suprema, que dê sentido à sua existência, é ímpar:

"Parece então ao leitor tornar a ouvir a sua própria voz, clara e engrandecida, tão perfeita é a sintonia dada pela mesma lei da vida que a todos anima. Há uma aproximação com aquele que lê, um retorno de alma para alma, que pela sintonia e convicção que se seguem, reforça-se em admiração, gratidão, simpatia e amizade.[3] (grifos meus)

Os conceitos mais profundos da vida foram revelados de forma magistral por um ser fora de série. Abandonar a herança que lhe era devida (mais de 300 milhões de reais), garantindo uma vida confortável e de domínio sobre seu semelhante, para cumprir integralmente a lei do Evangelho, e registrar tudo, captando os conceitos mais elevados independentemente do que seu eu individual queria, é ato de suprema vontade. Evolução é a lei. 

Para atingir a imortalidade devemos antes saber o que ela é.
(não se trata de estender algo caducável...)
Depois, buscá-la com todas nossas capacidade.
Sobre hereditariedade chegou-se a uma visão revolucionária, capaz de resolver os últimos problemas da humanidade em termos coletivos. Há quatro fatores que influenciam o ser. Esses fatores constituem a personalidade e exercem diferenciados graus de influência conforme o grau de maturação. São eles: a herança genética do pai (1) e da mãe (2); o meio em que se nasce e vive (3) e o espírito ou consciência (4). A mentalidade hodierna reconhece os três primeiros. Mas com isso é incapaz de explicar fenômenos que ocorrem diante de nossos olhos. Ubaldi nos traz esse quarto elemento - o mais importante e único sobrevivente à degradação física - enquadrando-o na ordem do mundo, sem desmontá-la. Quanto maior o grau de consciência maior a influência do fator espiritual. O meio físico e cultural (sociedade, família) pouco irá ditar o comportamento desse ser, que deverá seguir o ímpeto interior. É interessante constatar isso no mundo em que vivemos. 

Podemos observar as pessoas a todo momento. Reservar uma parcela de nossa atenção para constatar - e assim comprovar essas leis mais profundas, que atuam de forma mais discreta e potente. E assim conectar a teoria com os fatos da vida cotidiana. Eu venho o fazendo há mais de 15 anos, de forma cada vez mais consciente. Não há como provar nada aqui. Apenas posso recomendar ao leitor como comprovar essa lei que tudo rege, onipresente, onisciente e onipotente. Cabe à pessoa fazer seus registros. Perceber e sentir. Sofrer - porque inevitavelmente isso irá ocorrer - e usar a dor para impulsionar sua ascensão. Despertar. Despertar...

Somos herdeiros de nós mesmos. Filhos de nós mesmos. Herdeiros espirituais daquilo que fizemos em nosso passado, guiados por intenções diversas. Esse é o fator mais potente. Conquanto a herança genética possa influir pesadamente em nossas vidas, isto o é apenas pelo fato de que muitos nesse planeta ainda possuem um grau de consciência extremamente baixo, impedindo que a força do espírito possa dominar e enquadrar as forças da matéria (mundo) adjacentes, submetendo-as a finalidade superior.

Com uma cruz podemos simbolizar os fatores. Na parte inferior, o meio; nos dois lados, os genes dos pais; e no topo, o espírito, indestrutível e íntegro. Dessa forma passa-se a uma ideia mais ampla de herança, que rasga os limites desesperadores de nosso mundo, estendendo o conceito de hereditariedade, tornando-a não apenas coletiva (espécie), mas psíquica (individual), que se plasma. Desdobrar essa ideia, desenvolvendo-a até chegarmos ao campo prático do cotidiano, trará revelações verdadeiramente surpreendentes para quem assim o desejar. 

Terminar de ler esse (pobre) texto e não refletir sobre os conceitos é perda de tempo.

Refletir poderá levá-lo a redefinir conceitos, trazendo coragem para aplicar princípios na vida do dia a dia.

É assim que a evolução funciona: por experimentação.

Referências e comentários:
[1] Ver as três gunas descritas na Baghavad Gita
[2] Idem
[3] 8º livro da Obra de Pietro Ubaldi, 1947

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Relatividade Vertical Relatividade Horizontal (RVRH)

Tudo dentro dos limites de nosso Universo é relativo, inclusive o próprio tempo e espaço. As concepções que temos da vida, do cosmos, do nosso mundo, é igualmente relativa. Matéria, Energia e Conceito (ou espírito) são três aspectos da mesma e única substância - eterna e íntegra. Daí por simples lógica racional podemos concluir que, sendo Deus por definição Absoluto, - e tudo que conhecemos, restrito ao nosso concebível, seja tangível ou intangível - há uma realidade que supera a nossa. E engloba-a, pois os relativos (plural) estão obrigatoriamente, por férrea lógica, enquadrados na ordem do Absoluto (singular). Esse princípio, simples e reto, se desdobrado gradativamente, por vias sinceras e orientadas, levar-nos-à a perceber o quão próxima de nossa vida cotidiana está o mundo abstrato. A essência divina anima a multiplicidade fenomênica de modo sublime. Com Amor, vértice da sabedoria. E assim tudo é direcionado a um ponto final, situado além do concebível. Cume da evolução, em que inexiste movimento tal qual o conhecemos, e onde os relativos o são de outra forma, fora de nosso concebível. 

Sendo tudo relativo, podemos nos perguntar se esse fato não justifica a aceitação de todas ideias, atitudes e atos, contanto que o praticante seja inteligentemente capaz de convencer uma maioria (numérica ou de poder) de seus projetos e visões de mundo. O que implica que deveríamos observar todas formas de coerção de grupos, indivíduos e ideias como algo bom (sob um ponto de vista) e ruim (sob outro). Essa visão tende a ser absorvida pela mente imersa no relativo do pensamento racional, cuja própria natureza está condicionada a absorver de corpo e alma essa lógica. Trata-se de uma armadilha forjada por quem se sente (no momento) muito confortável no atual plano de existência, para garantir seu domínio sobre as demais mentes. Mas o problema é que a posição atual é volátil. A qualquer momento perde-se um cargo, uma confiança, um domínio, uma vida. Sendo assim a armadilha é para todos, inclusive para aquele que julga aplicá-la aos outros. A diferença é que ele só perceberá isso depois, num prazo maior, quando muito mal tiver sido lançado, - para outros. E por isso ter-se-á acumulado débitos incontáveis - para si mesmo. 

A relatividade pode ser vista sob um prisma puramente racional. Nesse caso denomino-a como relatividade horizontal. O que isso quer dizer? Vejamos o raciocínio desenvolvido até aqui. 

Se eu faço um mal a alguém visando obter um ganho imediato, esse ato tende a ser visto como um bem por mim. E do ponto de vista de quem o sofre, o mesmo ato foi algo mal. Logo o mesmo ato contém em si dois pontos de vista completamente diversos. Pois bem, isso para um instante de tempo, logo após a ocorrência do evento. Vamos estender o período de tempo em semanas, meses, anos e décadas, e observar como isso impactou o caminho de cada uma das partes, a depender de suas atitudes. 

Aquele que sofreu o revés, profundamente abalado, está desolado. Sente uma chama interior que não para de queimar - e não tem ninguém para o comunicar. O outro, indiferente ao fato, insensível aos outros seres, nem sequer percebe como o outro foi afetado, continuando sua vida da forma como a concebe, julgando a como certa e definitiva. Ou seja, julga ser absoluto sua concepção de vida, e portanto estática, parada no tempo. No entanto, se existe tempo, obrigatoriamente existe um devenir (vir-a-ser), ao qual todas as criaturas do AS* devem obedecer, alinhando o fluxo de sua vida alinhado ao fluxo universal. As ideias começam a surgir enquanto escrevo. Não é possível planejar ou sistematizar. Os esquemas travam os canais da inspiração. O conforto adormece as capacidades psíquicas. A segurança ilude, se plasmando em insegurança abissal tão logo estejamos bem adormecidos e dependentes. 

Diagrama gráfico que explica o fenômeno da Queda.
O desenvolvimento dos personagens é ditado pelo modo como manejam a fatalidade passada que sofreram e carregam até sua exaustão. Durante esse ínterim, que pode durar anos, décadas ou mais, percebemos o drama de quem possui fé ardente. Sempre tentado a recorrer aos métodos convencionais, à todo vapor, na mínima brecha que surgir, o evoluído se debate interiormente, buscando no bem soluções para o que vê como insolúvel. Mas superado os tormentos pontuais e intermitentes, pode-se conduzir a vida de forma diversa, pautada por uma fé inabalável que supra o espírito nos momentos de desespero máximo. Com isso começa-se a aplicar o livre-arbítrio dentro das fronteiras férreas do momento. Os efeitos disso só serão visíveis e sentidos após um tempo. 

O personagem que sofreu aprendeu (e muito) sobre a natureza humana. Isso o levou a novas criações. Essa forja de atitudes e produção de conceitos nunca antes imaginados o insere numa espiral diversa, não compreendida pelo mundo...Esse segredo, esse ímpeto interior, esse trabalho silencioso começa a tangenciar suas atividades do mundo concreto, influenciando o modo como o ser ensina, busca, pesquisa, escuta, enfrenta o mundo e se lança ao desafio do esforço contínuo. O passado se esvanece. O futuro se agiganta. A vida se expande. As possibilidades se multiplicam. A luz se irradia -  silenciosamente...

E o outro? Continua sua trajetória, indiferente aos outros. Agindo igual, pela força, seja ela física, econômica ou psicológica. E assim vence as batalhas dos momentos. Temporárias e efêmeras. A insensibilidade continua. A personalidade se recusa a mudar, pavorosa de adquirir sensibilidade para com as outras vidas e os outros fenômenos. E assim muitos seguem, tornando-se fortes como aquele que praticou o método do esmagamento. O número de quem segue essa lógica aumenta e a intensidade e métodos se tornam mais sagazes, com ações mais maquiadas e golpes mais cirúrgicos. A vida transforma-se num inferno crescente para aqueles que vivem e adoram esse nível de existência. Estamos diante de verdadeiras armadilhas, vulcões que explodem impiedosamente e despejam suas lavas com precisão e intensidade. Afunda-se julgando safar-se.

Assim os dois personagens constroem seus destinos, com reação interior, positiva, de quem sofreu o golpe; e negativa de quem o aplica de formas variadas, insensível a tudo que não lhe diz respeito imediato. 

No curto prazo, para fenômenos de superfície (eventos), reconhece-se apenas a relatividade horizontal. Isto é, uma relatividade de níveis evolutivos semelhantes. A diferença entre dois biótipos que operam na base do do ut des (dê me algo para que eu te dê algo) reside apenas na forma. Na essência pratica-se o mesmo mal. Observando assim ,percebemos que todas formas de organização humana estão na relatividade horizontal: há divisão de religiões, de partidos, de culturas, de nacionalidades, entre casais, de visões de mundo, de áreas do saber,...Geralmente eles se combatem. Se disputa-se algo em comum, quanto maior a proximidade, maior a ameaça, e portanto maior os esquemas de agressão. Terrenos não-comuns são ignorados. E propagandeia-se que não se agride por ser bondoso - mas no fundo apenas deixa-se em paz porque não há interesses envolvidos. Grandes esquemas esses da mente luciférica!

A relatividade vertical é algo diverso, apesar de também se tratar de algo diferente. Podemos diferenciá-la da outra em termos de dinamismo e orientação.

A relatividade horizontal (RH) é:
  • Entre dois relativos estáticos, que se consideram absoluto - ou algo próximo a isso;
  • Atacada de forma externa, usando os métodos consolidados no subconsciente da média;
  • Vista como algo fixo, que sempre será desconectado de algumas realidades - e conectado a outras.
  • Racional-instintiva
A relatividade vertical (RV) é:
  • Dinâmica para quem está acima, mergulhando em si mesmo ao invés de atacar quem golpeia de baixo;
  • Esperançosa, uma vez que revela que existe um telefinalismo global e local;
  • Intuitiva-racional
A primeira (RH) diferencia ruidosamente (egoisticamente) com base na superfície. A segunda (RV) diferencia silenciosamente (reflexivamente) com base na substância. Assim o homem percebe que a fera está com plena razão em seu nível evolutivo, dilacerando suas vítimas para se satisfazer; e o super-homem (místico, gênio, santo, herói) percebe que o homem está com plena razão no seu nível evolutivo, desejando conforto e segurança, mesmo que tenha de deixar certos tesouros de longo prazo para depois. Há assim um continuum por todos níveis evolutivos. Estendo assim o conceito de relativismo para a verticalidade dinâmica da substância, tornando a horizontalidade estática da forma mais tolerável. E indicando que esta também muda, aos poucos, sem se dar conta do fenômeno.

Pode-se sentir o palpitar da vida em cada gota de sofrimento. Já sabemos aqui que a evolução se dá por avanços e recuos oscilantes, numa espiral que se abre gradativamente **. Se num período de queda geral (de valores e princípios) mantém-se orientado para o Alto, na qualidade, quando este vier o ser já estará corretamente orientado, sendo o impulso ascensional uma libertação. Para aqueles que seguiram a tendência geral (queda), se refugiando na quantidade, as forças da Lei que puxarão  todos, indiferentemente, novamente para um novo ciclo de ascensão, serão sentidas dolorosamente, ao grau máximo. A retomada será lenta. A assimilação, sofrida. Eis o verdadeiro poder, situado no imponderável, expressado na forma de amor divino. 

A partir daí as almas em evolução podem esboçar uma série de perguntas. Uma delas: alguém num nível acima em relação a um plano de existência (RV) será visto/enfrentado por outro no mesmo plano com base numa RH? Sim. No entanto, à medida que se sobe de plano, a RH é cada vez melhor compreendida, e assim suas limitações e armadilhas decorrentes são mais transparentes e aceitas - apesar de ainda existirem nas mentes. A vida vai se tornando mais clara. Tudo se orienta. Escuta-se o canto divino da vida através dos múltiplos acontecimentos. Percebe-se não apenas eventos, mas comportamentos. E não se para aí: vê-se a estrutura do todo. E com isso podemos começar a nos perguntar, sinceramente, qual é a gênese deste universo físico. Será ela a primeira e original?

Ou há uma criação diversa? Situada no inconcebível...

Referências e comentários

* AS: Anti-Sistema. Para mais detalhes estudar os volumes O Sistema, Deus e Universo e Queda e Salvação (P. Ubaldi)

**http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2017/08/emborcamento-do-rumo-natural.html

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

O Cineasta do Evangelho

Existem cineastas que fazem de sua profissão algo único. Elevam suas obras (e sua arte) aos píncaros, fazendo transbordar aspectos universais da vida. O amor humano de um casal, em sua forma masculina e feminina, levado ao limite, fazendo-o se identificar com o amor divino [1]. As histórias iniciam de forma simples, inocente. O espectador é capturado pelos personagens. Seus olhares. Seus ânimos. Seus sonhos verbalizado como planos - que acabam por sofrer desvios abruptos devido às forças do destino, geralmente indesejadas e temidas. Todos aspectos essenciais da vida - aqueles que interessam - vistos de forma cristalina, causando emoção sem necessidade de artificialismos. É pela simplicidade dos sentimentos que se obtêm um ponto de apoio poderoso, capaz de provocar lágrimas de emoção e estado de inspiração.

Conheci o cinema de Frank Capra em minha juventude, nos anos de faculdade. Esse cineasta italiano naturalizado norte-americano conseguiu invocar o espírito do Evangelho em suas obras, sem necessidade de recair em citações religiosas. Ele consegui expor elegantemente a antítese entre as aparências superficiais e a realidade profunda, construindo personagens únicos, dotados de todas as qualidades humanas: vícios e virtudes. E com isso, mostrar, sem descrições, mas com cenas sublimes de amor, esforço e busca infinita num mundo finito, qual é a finalidade da vida. E com isso, qual o biotipo do porvir...
A Mulher faz o Homem (1939).
[Mr. Smith Goes to Washington]

Os filmes de Capra tem algumas características que os tornam interessantes: 
  • O elenco é, em grande parte, o mesmo;
  • O roteiro é bem escrito, leve e balanceia profundidade com capilaridade;
  • Os personagens transmitem o espírito da obra;
  • As músicas inspiram.
James Stewart, o eterno bom moço, sempre faz o papel do mocinho. Seu olhar, sua fisionomia, seus gestos e tom de voz denunciam sua natureza inocente. Em A Mulher faz o Homem (1939) vemos essa bondade imensa se deparando frente à frente com a realidade do senado norte-americano - que muitos aqui no Brasil julgam ser imaculado... - e tendo sua ideia de nação dilacerada a cada golpe. As forças da vida o levaram até lá, e as mesmas irão gerar o ímpeto em prosseguir em sua busca até o final. Há uma clara denúncia do mecanismo que governa as mentes daqueles que possuem o poder. O grande cineasta já falava o que muitos começam a perceber hoje, em pleno século XXI: que o poder privado, de grandes magnatas da imprensa, das finanças e da indústria, dita o comportamento do congresso, do senado, do poder executivo. Nesse filme fica claro quem está nos bastidores das grandes decisões políticas - e como é feito o controle e a maquiagem de políticas (anti-)públicas.

A Felicidade não se Compra (1946)
A Felicidade não se Compra (1946) marca o cume da expressão evangélica dentro da trajetória cinematográfica de Capra. Com esse filme o realizador e sua equipe atingem, juntos, o ápice em todos aspectos. Através de duas vidas que se fundem nós vemos o desdobramento do destino - forjado pela natureza das personalidades que o compartilham. Sentimos o drama dos personagens, suas alegrias, o porquê de suas atitudes. Sentimos na alma o desespero e o esforço na luta por um ideal, interessados em saber o que irá ocorrer. Aqueles em busca de uma realidade mais plena e sincera encontrarão neste filme um elogio ao amor, que possui razões que a própria razão desconhece. Somos arrastados pelo vendaval das circunstâncias e pelo ímpeto dos personagens. Não chorar é dificílimo; não ser tocado, impossível. Para os espíritos com sensibilidade, capta-se a vibração da vida, que se expressa ora furiosamente, através de George (Stewart), ou sutilmente, através de sua esposa, Mary (Donna Reed).

Mas o mais impressionante no filme-mor de Capra é como se revela a mecânica do milagre [2], cuja lógica é completamente desconhecida por nosso mundo, com sua mentalidade dual. A construção do miraculoso se dá sutilmente. Observemos a natureza de seu personagem principal. Sua trajetória (história), sua intenção (boa) e ousadia (inteligente) são ímpares em seu meio. Seu pai tem princípios e vida reta. A casa de sua família é um ambiente de liberdade e simboliza a fartura do equilíbrio. Nada falta, nem nada é desperdiçado. O mais adquire característica de qualidade, não de quantidade., sendo forjado através de uma construção sólida de amor, sinceridade e ímpeto pelo ideal. O menos é representado por se possuir condições e não impedir o mal de se difundir. Esses elementos começam a permear os olhos do espectador, preenchendo seu coração, que bate as portas de sua mente, fazendo-o ter um apoio, uma fé, no que pode ocorrer. Estamos diante das causas do milagres.

Outras obras tratam igualmente de questões orientadas para uma melhor humanidade. Gary Cooper em O Galante Sr. Deeds (1936) revela outro aspecto humano, menor mas essencial: a incompreensão da simplicidade da vida. Um homem, do nada, herda 20 milhões de dólares (uma verdadeira fortuna na época!) e passa a ser sondado por diversas criaturas da noite para o dia. Isso não o interessa. Percebe-se como a configuração muda em função do que se possui. O que se pensa, como se vê o mundo pouco interessa - a não ser que a mídia possa tirar algum proveito disso. Assim o Senhor Deeds percebe, após uma breve estadia na grande cidade.

Os finais dos filmes de Frank Capra revelam uma vontade ardente de materialização da utopia. São impossíveis, alguém pode afirmar. No entanto já são uma realidade na alma do cineasta - e na de seus espectadores mais ansiosos por se lançar na conquista de uma realidade biológica superior. Os filmes revelam uma vontade íntima, universal, potente, escondida na psique de cada ser humano. Uma vontade que bate incessantemente em nossos corações. Ora sai de nossas bocas na forma de discursos potentes; prosa sublime, harmonias angelicais; teorias transformadoras; atitudes ousadas; ações irrefreáveis; amor infinito; busca infinita num mundo finito...

Referências e comentários:
[1] A Felicidade não se Compra (1946)
[2] http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2017/09/mecanica-do-milagre.html

Vídeos:








domingo, 3 de dezembro de 2017

O Cinema (assim como toda a Arte) serve para Despertar

Tudo é justo se compreendermos a essência da vida. Os fenômenos, à medida que são assimilados definitivamente pela mente (razão / consciente) e enraizados na natureza humana (instintos / subconsciente), passam a influir em nossos gestos, olhares, decisões e atitudes cotidianas. Essa consolidação íntima, que pode ser atingida por vários caminhos, se desdobra numa vida mais autônoma. Autônoma porque consciente. Consciente porque orientada. Conhece-se melhor a dinâmica do Universo. Sente-se mais intensamente as palavras proferidas pelos Místicos, Profetas, Heróis e Gênios de outrora - e de agora, ainda não reconhecidos. Busca-se de forma mais orientada aquilo que realmente interessa.

Frank Capra (1897-1991). Cineasta italiano
naturalizado norte-americano. Se imortalizou com obras como
"A Felicidade não se Compra" (1946);
"A Mulher faz o Homem" (1939) e
"Do Mundo nada Se Leva" (1935)". 
O objetivo da vida, muitos dizem, é ser feliz. Atingir um estado de satisfação interior, em miúdos. Mas essa felicidade, em nosso mundo, é buscada através dos métodos do mundo. Esses métodos são produtos da mentalidade predominante, calcada na razão e bom senso - que diga-se de passagem, são extremamente importantes e fatores-chave para o progresso humano nos últimos séculos. Os resultados vem. E vão - com a mesma rapidez com que vieram. E esse "ir embora" não é externo, apesar desse "obter / atingir" é produto de ações exteriores, concretas, baseada em ensinamentos e referências deste mundo. E então inicia-se a reflexão: obter por vias exteriores uma satisfação interior é realmente o caminho? Toda minha vida consistiu em compreender a fenomenologia universal que rege nossa ascensão oscilante e dolorida ao longo da exaustiva jornada tortuosa das existências sucessivas. Não apenas a minha: a de todo mundo. Quer as pessoas tenham consciência disso ou não. A afirmativa pode soar arrogante, mas eu, para manter o equilíbrio universal perante as forças da vida, igualmente aceito o risco e desdobro a afirmativa. Desdobro-a através de minha vida, numa constante batalha pela compreensão das dores e pela superação de minha animalidade, que está pronta a lançar todas suas garras tão logo eu me disponha a olhar para o alto e abandonar velhos hábitos. Esta sim é a maior batalha da vida. Batalha que supera os limites do Universo, ocorrendo no e além do espaço-tempo.

Existem vários caminhos para superar a natureza inferior. Cada um trilha o seu. Mas todos, se percorridos e assimilados, levam ao mesmo destino supremo. É aí, nesse ponto, vértice da sinceridade e da seriedade, que atinge-se a felicidade permanente, não-fragmentada, não-degradável. Blindada pela couraça mais forte. Desconhecida pelo intelecto humano. Dinâmica espiritualmente. Verdadeira. Mas sua busca inicia-se não por fora, mas por dentro, reino de sentimentos e pensamentos desconhecidos e indomados...

Woody Allen (1935). Consegue falar sobre questões
profundas da vida de forma cômica. É um caso
interessante. A liberdade dada à equipe, como tem
suas ideias para os roteiros, como filma...tudo revela
um estilo seu.
Tudo na vida acaba servindo para um propósito - mesmo que não tenhamos noção clara disso. Alguns tem vaga intuição do porquê continuam fazendo algo, seja um projeto, um estudo, uma pesquisa, uma relação, um modo de agir, de pensar, de sentir, etc. Da mesma forma, todas coisas do mundo tem uma função, que deve ser usada da melhor forma possível para despertar a consciência. O que está latente deve se tornar manifesto, e assim se materializar em atitudes potentes e orientadas, elevando a vida do explorador do universo interior. Como exemplo eu gostaria de falar sobre o Cinema (o verdadeiro!), que tanto marca minha trajetória, me inspirando nos momentos de busca de ideias; aquietando nos momentos de desespero e raiva; e intensificando minha capacidade de relacionar fenômenos e sentir o palpitar das forças da vida. Não me refiro nem ao cinema puramente intelectual, repleto de jargões e técnicas da alta cultura, nem ao cinema comercial, totalmente voltado para entretenimento e diversão. Aponto para um Cinema que eleva a alma. Seja através do drama da vida, manifestado em tragédia ou comédia; pelo suspense da expectativa; pela  ação orientada para fins globais maiores, mais duradouros; ou pela fusão entre realidade e ficção, que combinadas tornam a História mais viva e transformável. E o desejo da Utopia mais lancinante. Através de uma ordenação - por vezes caótica, mas com orientação suprema - de imagens, sons, gestos, música, atitudes e atos, a alma se fascina, chora, imagina, reflete, sente e sai da sala escura diferente de como entrou. Repensa-se a vida e observa-se o mundo diversamente. Pode-se rir e divertir, mas com significado que vai além do mero ato de satisfazer os instintos. 

"A Vida dos Outros" (2007). Impressionante.
Cada cena, cada plano possui um significado.
Desperdício zero - emoção máxima. 
A Arte possui uma importância ímpar. Seu papel é essencial para a ascensão da humanidade e suas instituições. Sem ela ficaríamos nus perante o abismo dos miúdos desafios, que se apresentam dia-a-dia, e dos supremos, que tanto nos desesperam. Mas não basta ter acesso a ela. Não basta compreendê-la analiticamente. Não basta estar cheio de informações e relacioná-las coerentemente. Não basta difundi-la sem impulso. Sem ímpeto interior. Sem explosões metafísicas. Precisamos de tudo isso sim. Mas há um quid  que faz toda diferença. Trata-se de sentir o transformismo que rege todo nível de existência, desde o físico até o metafísico. E de deixá-lo invadir sua alma, inundando seus mais íntimos segredos, desnudando-os; abalando furiosamente seu sistema de crenças e valores; fascinando de dentro para fora. Usar-se do mundo para elevá-lo. O seu e o outro.

Quanto maior o grau de seletividade atingido, melhor. Mas antes de se chegar nesse estado, é preciso ter visto muito - por vezes coisas ruins, que pouco dizem mas muito perturbam (os sentidos) e desviam (a mente) do que realmente interessa. Elevar-se através da experiência cinematográfica não é simplesmente ser um cinéfilo. É capturar a essência mística. Já falei disso de forma explosiva alhures [1]. Não se repassa. Transmite-se de forma própria, intensa, a mensagem subliminar da obra. Seu misticismo, que por vezes nem sequer o realizador percebeu enquanto materializava a película - mas os Grandes cineastas sempre sabem o que estão fazendo, e porque o fazem.

Minha vida deve muito à Sétima Arte. Ouso afirmar que poucos fizeram um uso tão potente de algo tão abstrato para forjar um destino tão diverso. Quando a pessoa aprende a "ler" naturalmente as nuances dos fenômenos, é tocada pelo significado mais profundo de cada acontecimento. O simbolizado se revela mais em sua luminosidade intensa. O símbolo se torna mais transparente, desnecessário. O resultado prático é que perde-se menos tempo com o que antes nos prendia. Vamos direto à essência das coisas, não nos atendo à multiplicidade dos fatos e suas embromações, mas captando, num relance, a substância daquilo, universalizando significados.

Matrix (1999). Filme que revela a Grande Batalha metafísica
que se passa entre os conscientes e os poderosos. Evangelho
e Gita evidente e presente em cada cena -
se vista com olhar espiritual.
Esse aspecto do meu caminhar (cinema) se enquadra num plano geral, inicialmente desconhecido, que vai se revelando à medida que a vida avança, com os acontecimentos se desdobrando de forma cada vez mais lógica, com um sentido que antes era inexistente. Aos 13~14 anos comecei a assistir filmes com outro enfoque. Algo havia despertado em mim. Aquilo simplesmente me agradava. Muito (é claro) se deveu à influência familiar. Especialmente a paterna. E assim fui progredindo. Inicialmente eu era um espectador cult, normal, que percebia aspectos identificáveis a qualquer cinéfilo. Mas isso estava destinado a se tornar algo a mais.

Á medida que a minha personalidade progredia, não apenas em maturação física-intelectual (exterior), mas sobretudo espiritual (interior), o que antes era um refugio agradável passou a ser um meio de sutilização do espírito, através de experiências sensoriais que traziam em si um significado muito mais forte do que sensações. Tratava-se de uma manifestação do infinito por meio de um finito. O não-dito, oculto através do dito, passou a ser percebido. Cada vez mais rapidamente. Facilmente. Naturalmente. Assim entrei numa nova fase, na qual a seletividade passou a predominar sobre minhas escolhas. E não apenas uma seleção qualquer, mas uma com orientação. Isso apenas é percebido após o período de transformação ter se consumado, deixando um rastro em seu passado, revelando a diferença enorme entre o antes e o depois. A substância se sutilizou....

Sendo assim, a Arte vale apenas na medida em que ela pode transformar o ser humano, tornando-o melhor para si - e para os outros, incluindo todo ecossistema. Ela possui uma função suprema, poética e sublime, que todo grande artista, seja cineasta, pintor, escritor, músico, arquiteto, dramaturgo ou escultor, deve ter em seu coração e exprimir através de suas mãos e voz. 


Referências e observações

[1] Para compreender (e talvez sentir) o que quero transmitir, recomendo a leitura e reflexão profunda dos seguintes ensaios:

- http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2015/06/matrix-uma-visao-mistico-cosmica.html
- http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2015/10/v-em-busca-da-verdadeira-unidade.html
- http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2014/10/quando-vida-dos-outros-muda-sua-vida-e.html
- http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2014/09/a-felicidade-nao-se-compra.html
- http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2017/07/os-miseraveis-queda-e-salvacao.html
- http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2017/04/o-melhor-da-juventude-la-meglio-gioventu.html
- http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2016/08/ben-hur-e-natureza-cristica-subjacente.html
- http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2016/01/enigma-o-jogo-da-imitacao.html 

sábado, 25 de novembro de 2017

Desenvolvimentos explosivos

É muito difícil compreender as (reais) causas dos males. No entanto, a maioria sente-os, direta ou indiretamente, pela vida que levam. Dia após dia há uma enxurrada de eventos que demandam todo nosso esforço humano. Dispendemos tempo e depositamos nossas emoções nas atividades que "fatalmente" nos foi dada pelas forças das circunstâncias. E assim vivemos, dia após dia, levando as tarefas da forma como nos foi ensinada. E no tempo que resta - dito "tempo livre" - cuidamos de outras atividades essenciais, que se impõem através das férreas leis materiais às quais estamos presos. Subtraindo tudo isso de uma existência, o que realmente temos para nós, sem nenhuma obrigação, é um lapso de tempo. Um lapso atirado ao vento e enterrado com distrações que nos iludem. Assim se passam vidas...

Desde o momento em que alguém nasce neste mundo, existem duas garantias: a de que haverão dores - nas mais variadas formas, advindas da ilusão - e um fim material. Certezas férreas deste mundo, sem dúvida. Mas serão elas as únicas certezas da vida? Será essa dupla (morte e dores) a única realidade da existência neste mundo? Essa foi minha busca. E agora, em posse da certeza de que essa realidade é um átimo dentro de uma lógica muito mais vasta, poderosa e além do concebível, me prostro diante do abismo da incerteza. O que fazer? O que fazer?...

De dentro para fora.
Sempre que inicio a escrever não faço nenhum planejamento. Faço apenas o que o sentimento me impele a fazer, à seu modo, em momento inesperado, da forma que posso. Tento acompanhar esse sentimento, essa inspiração, essa visão à medida que escrevo. Mas as palavras sempre esmorecem diante da substância que quer ser revelada através das mesmas. O mundo, a matéria, o homem, quando se lança a tentar compreender realidades superiores, que escapam aos sentidos e à mente, se vê impotente desde o início, quando os primeiros passos são dados. Se alguém vê, chovem risadas, humilhações e piadas. Veem um pobre ser. Enganado pela utopia de grandes visionários. Despido materialmente pela sua bondade. Ignorado pela cúpula do saber e prudência. Visto como não-sério. Esse é o início da jornada. E diante desses sinais, o ser logo percebe que, se deseja continuar em paz, deve ser altamente seletivo [1]

O verdadeiro desenvolvimento da personalidade não se dá quando o ser assimila os conceitos passados pelo mundo - sociedade, família, instituições, valores. Seu início ocorre quando o ser se emancipa das ondas psíquicas que regem o funcionamento do mundo, de modo a abrir fendas em novos territórios, desvendando mistérios e aprofundando verdades. Quando é acionado um sentimento sincero que se une a uma reflexão profunda ocorre uma forma de atuar que intensifica a reação do entorno. O ser, ao insistir, prepara uma horda de invasões. Os assaltos do mundo levarão-o à tentação. Tentarão desesperadamente lançá-lo diante de atitudes e atos que podem desqualificar por completo sua busca, e assim confirmar a (triste) realidade da vida no plano humano-animal. Isso é o que a atual lógica do mundo faz com aqueles que começam a ameaçar seu império. Um império poderosíssimo e impiedoso. Até mesmo aqueles que compartilham sua visão e anseiam por uma transformação, param em certo ponto, deixando-o cada vez mais só, desacompanhado, desprotegido...Por vezes até ocorre resistência. Esse abandono pode levar ao colapso psico-físico. Mas é justamente aí, num vale lamacento e desprezado, que pode se dar a catarse.

Esse blog é produto de uma série de acontecimentos concatenados harmonicamente, sem os quais ele jamais teria ocorrido. Cada ideia, palavra, frase, montagem de figura, diagrama, representa uma vontade imaterial que deseja existir. Tornar-se concreta. Ou melhor, elevar a matéria, aproximando-a um pouco mais do espírito, tornando o convívio destes dois mundos menos áspero e mais sincero. Pelo bem do mundo, e não do espírito, diga-se. Pois este já é, enquanto aquele ainda o será. A evolução dos textos nada mais representa do que o amadurecimento do autor, que se torna cada vez mais transparente e ágil ao transmitir conceitos que estão no íntimo das almas. Conceitos pouco tratados, pouco vividos, e por isso transformados em meros objetos de distrações em raros momentos. Distorce-se o Alto para diversão ocasional. Mas de fato, ao esfregarmos nossa matéria no sagrado, no ideal, no espírito, condenamos a nós mesmos, atestando que desejamos ficar presos a uma realidade triste, que se faz a cada dia mais intensa, deixando-nos cada vez menos espaço (físico e metafísico) para atuar e viver plenamente. Triste cegueira do homem iludido pelo império da razão! E é desse ponto que começamos a descer às aplicações práticas dessas teorias (aparentemente) desligadas da vida cotidiana. 

Quando afirmei alhures [2] a respeito do desenvolvimento de minha personalidade (o verdadeiro desenvolvimento!) me arrisquei enormemente. O processo iniciou-se em 2011, justamente após o período mais tranquilo de existência, momento em que tudo parecia estável e dali pra frente a vida seria muito suave. Ledo engano. Engano terrível. Deu-se o inesperado, que levou a outra cadeia de eventos inesperados. Golpe após golpe, o desespero fluiu em progressão crescente de modo a levar todas fibras de meu organismo à loucura, resultando num efeito de retroalimentação: quanto mais me interiorizava com minha dor, mais o mundo repelia-a (e a mim) na vã expectativa de me ver melhor. E assim progredi na queda...

Chega um ponto em que se atinge o vértice inferior, e nada mais lhe agrada. Isso é perigoso. Mas no caso de minha experiência, ao invés de buscar uma simples retomada pelos métodos do mundo, afirmei interiormente: "Quero uma verdade que me rasgue. Me encante. Me deixe prostrado. Uma verdade que alimente minha alma sedenta de explicações e conforto. Uma verdade que englobe todas verdades e supere esta triste realidade, que não é apenas minha, mas de todo mundo. A diferença é que eu encarei esta realidade, sem levá-la na brincadeira, sem fugir dela, até à raiz, no momento de dor mais intensa, quando todos abandonam a dor e se voltam ao mundo, iludindo-se à medida que se aliviam. E creem estar curados! Creem ter superado essa doença terrível chamada desânimo e depressão. Ledo engano! Tudo que sinto me diz que as almas continuam imersas numa ignorância. São superações superficiais. A ferida não foi regenerada, mas apenas tapada e tratada com artificialismos. Quero saber se há algo a mais! Quero nada esperar nem possuir. Apenas quero compreender a essência dos fenômenos, mesmo que isso me destrua. Eis a minha ardente e sincera vontade diante de Ti, Ó Senhor. Errei ao tentar traçar o caminho da bondade e do ideal. Não estava preparado e paguei tomando o amargo cálice da dor. Eu, um inerme. Meu destino está em Suas Mãos!" 

A parir da nova atitude ocorreram fatos banais ou interessantes. Mas eles em si não eram o mais interessante. O que impressiona é o momento, o tempo de duração e o modo como ocorreram. Formou-se uma sequência que levou um evento a reforçar outro. Coisas boas intercalavam-se a coisas ruins. Mas a cada golpe, ao invés de me afogar na sociedade, no consumo, na alienação laboral, decidi mergulhar no meu Ser e conhecer a realidade fenomênica através dele. E assim iniciou-se a atuação de várias forças, que se materializaram em vários fatos bons, que sustentam minha vida em todos aspectos, e ajudam minha personalidade a se desenvolver cada vez mais. O mundo classifica tudo isso como "acaso". Eu sinto a Lei de Deus. Lei que atua para todos, se cada um souber tomar rédeas de sua dor e assim forjar um glorioso destino. Destino que, antes de ser concretizado, deve ser batizado por dores abissais. Destino que, durante sua gloriosa edificação, deve prestar contas ao Alto, trabalhando em prol do Espírito, não cedendo às tentações do mundo. Varando as ilusões que se lhe apresentam, como um raio e luz. Reprimindo, naturalmente, como um trovão, qualquer convite a compactuar com o mundo que quer permanecer como mundo - e jamais se superar. Eis um pequeno fragmento de ascensão, que dá uma parca ideia do que pode significar superar o plano atual.

Ascensão.
A mudança profunda desse ano provavelmente se relaciona à saúde. Foge-se de uma realidade cruel para se abrigar em outra, menos cruel - mas ainda longe, muito longe do ideal. Para quê? Para ter mais tempo, condições e paz. Para quê? Para continuar nessa batalha perpétua (Grande Batalha) pela difusão da verdade, da vivência intensa, da criação de novos conceitos. Para adquirir coragem para - quem sabe - um dia dar um passo mais ousado. Inteligentemente ousado [3]. Um passo que seja mais do que simplesmente compreender, refletir e otimizar dentro dos limites da realidade atual. Porque o espírito anseia mais do que a mera eficiência e conhecimento. Ele anseia pela superação efetiva de uma realidade triste, com prazo de validade. A superação de uma forma mental que sustenta um sistema incapaz de atender necessidades fundamentais. Um sistema que opera, atualmente, na base da distração e intensificação de superficialidades para criar uma casca grossa em solos férteis. Solos nos quais a semente do espírito foi semeada há muito tempo. Solos que são corações e mentes sedentos pela superação, mas que carecem da ousadia potente. O medo ainda domina - mas não será para sempre...

O fato da maioria da população desconhecer como é a realidade global, e como a nossa História foi construída (pelos poderes), torna-a cega às causas. Marcha-se em nome do fim da corrupção. Mas coloca-se atores piores no poder, no mesmo sistema, que continua com pleno controle. No fundo deseja-se apenas extravasar sentimentos de ódio calcados em verdades de superfície. Verdades que desmoronam tão logo começamos a aprofundar as ideias e expor experiências que sejam contraponto àquilo defendido ferreamente. Eis a "potência" das manifestações sociais - especialmente aquelas de 2015, que nada tinham de sinceridade - apesar de serem permeadas de imbecilidade...Diga-se: não se trata de defender um grupo, pois sabe-se que as forças da vida estão muito além e aquém dos grupos humanos, e a estes só é conferido certo poder enquanto eles cumprem certa finalidade, sendo varridos logo após isso. 

O ditado popular diz: "o buraco é mais embaixo." Eu diria: ele está muito abaixo do que imaginamos. E justamente por isso tudo torna-se tão desesperador para quem vê a lógica deste mundo. 

O preço do custo de vida sobe a uma progressão geométrica. Ganhos de trabalho, - especialmente aquele verdadeiramente útil - se crescem, seguem uma progressão aritmética. Saúde, moradia e educação. Direitos universais cada vez mais inacessíveis para uma parcela. Contraditoriamente, vê-se um crescimento da riqueza per capita gerada no globo [4]. Para os pobres, jamais haverão serviços essenciais, sendo seu sofrimento uma "fatalidade". Para aqueles mais "afortunados" da classe média, pode-se sentir um esmagamento com o passar do tempo. Uma realidade na qual, por mais que se esforce e se crie e seja otimizado o modo de vida, o custo de vida corrói os ganhos, sobrando cada vez menos para o futuro - e nada para ajudar o próximo. A automação não encarece, mas barateia (a médio e longo prazo). Logo, pode-se perguntar: o que está ocorrendo de fato? No caso do Brasil, ignorar uma simples realidade [5] pode dizer muito a respeito do porque nossa indignação ter pouco efeito. Ela está calcada na superfície. Ignora que fenômenos como corrupção são sistêmicos e partem do ser e da lógica, pensamento, que inunda o planeta. 

A lógica hodierna centra a finalidade da vida no lucro. Diz-se que este irá trazer conforto. E assim, em todas decisões, ponderamos quais serão nossos ganhos e perdas, optando pelo melhor. Mas é justamente aí, em cada decisão, que perdemos a noção do que é realmente certo e errado. Porque operamos num horizonte cego, de ganhos e perdas imediatos, deixando sempre para o lado a construção do porvir. Não o porvir externo, mas o interno. Tão desprezado pelo homem. Tão ansiado pela alma. E o consumo desenfreado começa a ser visto como uma doença - abandonando sinal de status e progresso. Minimizar o consumo, se atendo ao que realmente é essencial, começa a ser tratado como questão séria [6] por pessoas que já perceberam que o acumulo de objetos obstrui canais de conexão com aspectos importantes da vida.

DICS: Dados, Informação, Conhecimento, Sabedoria.
Um plano domina o outro (de baixo) e é guiado pelo
subsequente (de cima).
Estar apegado a itens supérfluos consome tempo, desvia energias, traz preocupações desnecessárias com segurança, aguça o sentimento de que alguém quer algo seu, entre outras enfermidades psicológicas. Talvez aí esteja o primeiro passo para superar a realidade. E a desintoxicação inclui  se desprender de jornais, revistas, redes sociais, televisão, checar emails regularmente, entre outras coisas. Passa-se criar um "espaço vazio" que traz consigo a sensação de limpeza. Ele poderá ser preenchido com atividades úteis, ou mesmo reflexão. A ideia é não crer que se está perdendo, e sim se livrando. A informação se tornou uma faca de dois gumes. A mídia que chega fácil aos nossos olhos, ouvidos e mentes é de superfície, cobrindo eventos e nada mais. Ela não adentra no terreno do comportamento - muito menos na questão da estrutura. Isso deixa as pessoas em constante estado de consternação diante dos acontecimentos da vida. O modo como tudo é apresentado (e sempre repetido) dá uma sensação de impotência diante das forças que controlam o mundo. Nos tornamos meros espectadores. Inconscientes sobretudo...

Esse progredir da personalidade envolve o desprendimento de tudo desnecessário. Bens, serviços, informação e falatório. E evitar repetições. O desenvolvimento do ser é dinâmico, ardente, impulsionado. Morre-se para renascer. Conceitos são superados por outros mais vastos, que dão maior sensação de liberdade. Vivências capazes de suportar mais restrições e enfrentar mais reveses de forma elegante. É um metamorfosear-se, deixando tudo para trás, sabendo-se que no fundo nada foi abandonado, mas adquirido. Fluem quantidades, cresce qualidade.

Nossa humanidade possui conhecimento mas carece de sabedoria. Conhecimento é da mente, do intelecto, da razão. Sabedoria é do sentimento, da intuição, da síntese. Mesmo fora do superconsciente, somos guiados pela consciência universal. E assim será até descobrirmos em nós essa nova inteligência, capaz de ir além do pensamento comum, de ponderação e argumentação. Já desenvolvi alhures as limitações desse tipo de lógica [7].

A vida canta um canto silencioso e eu percebo que estamos muito longe das soluções. Progredir além implica em deixar para trás o terreno da solidez ao qual nos aferramos tanto. Implica em novos inícios e não repetidos continuísmos. Implica em compromissos com seu íntimo - e nada mais. Implica em estar disposto a ir até o fundo em suas buscas. Sermos verdadeiros cientistas, plenos de fé. E verdadeiros religiosos, munidos de ciência. Porque a unificação, no íntimo, fala mais alto e liberta. Um conceito universal, arrebatador, que impressione e inspire.

Rumo à Verdade.

Referências
[1] http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2014/11/um-ciclo-duas-fases-piramide-expansiva.html
[2] http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2017/01/11-12-14-17.html
[3] http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2013/12/aconquista-de-aqaba-importancia-da.html
[4] http://slideplayer.com.br/slide/1265505/
[5] https://www.cartacapital.com.br/sociedade/combatida-no-exterior-corrupcao-privada-nao-e-crime-no-brasil
[6] http://outraspalavras.net/destaques/adeus-ao-consumismo/
[7] http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2017/10/racionalismo-em-cheque.html









segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Massa Crítica

Massa crítica de um material fissionável é a quantidade necessária para manter uma reação nuclear em cadeia autossustentada. Essa massa (crítica) depende das propriedades nucleares (do núcleo) e físicas (elétrons), sua forma e pureza. Mas não é sobre física nuclear que quero falar - pois pouco sei a respeito.

Os conceitos do mundo físico se aplicam aos do mundo bio-físico e psico-bio-físico. Mas dos fundamentos às ramificações específicas da vida das plantas, dos animais e dos seres humanos, com suas sociedades organizadas (?), deve-se perceber os fenômenos de forma diversa. À medida que nos elevamos da esfera material, realizando ensaios para vencer as leis determinísticas do universo físico, começamos a fazer uso do psiquismo inerente à vida, e com isso a matéria inorgânica se transforma em orgânica (fotossíntese das plantas); os seres sentem e se locomovem para satisfazer instintos fundamentais (animais); e o homem criar ferramentas exosomáticas, criando a tecno-economia - indo além do mundo biológico dos animais, cujas ferramentas são seus próprios corpos, ou seja, endossomáticas.

O mais curioso no fenômeno "homem" reside justamente nessa característica de criar ferramentas, máquinas, processos automáticos, teoria científica, sistemas políticos, econômicos e tecnológicos e - ainda mais! - sistemas de crenças, de valores, conceitos filosóficos e éticos. Mas isso é apenas um aspecto relativo. Um conjunto de criações nessa jornada multimilenar. Um momento na história universal, permeada de mistérios fantásticos. Mistérios que nos deixam encantados nos momentos de busca incessante e sinceridade - e apavorados diante de longas existências de desorientação e puro raciocínio. Mas nada escapa a isso. Logo, deve haver mais, sempre mais, a ser descoberto (pela intuição) e assimilado (pela mente). Eis que invade-nos o senso de vazio perante forças titânicas que dominam nossos destinos, partindo a alma daqueles próximos, inundados de vontade de superar o plano de existência que ainda governa sua mente, seus sentimentos e - especialmente- seu corpo. Nasce daí a consciência: o senso de Espiritualidade, da Intuição, do Amor, da Verdade, da Simultaneidade. Nada é mais arrebatador do que chegar ao cume do desespero e ainda assim negar as alternativas de salvação (alívio de dor) oferecidas pelo mundo. Dispor-se a morrer e sofrer, repetidas vezes, de repetidos modos, pelos motivos mais incompreendidos - que às vezes nem a própria pessoa compreende - é uma provocação ao mundo, sem dúvida. Mas por outro lado, pode ser um grito intenso. Um grito que exprime uma busca infinita num mundo finito...


O livre-arbítrio é o meio a ser usado pela consciência.
Há vários caminhos para superar o plano de vida
atual. Aqueles que superam mais rápido evitam
dores inomináveis. 
Assisti a muitos vídeos interessantes já. Conheço diversas visões. Combino pontos de vista. Estendo conceitos teóricos de um campo, aplicando-o a outros. Mais: estendo-os a um plano superior. Do fisio-químico ao biológico; deste ao psíquico; e daí por diante, a um universo permeado de puro pensamento...Quando isso ocorre o tempo voa ou cessa. Não interessa. Deixa de existir em termos conceptuais. O espírito voa além das barreiras do espaço-tempo. O corpo, que prende a mente, (e esta, que segura o espírito) é menos influenciado pela passagem do tempo. Com isso as preocupações se reduzem - mesmo que momentaneamente. Estamos um pouco mais próximos do S. Levitamos, deixando por um tempo o AS [1]. Este olha abalado, preocupado, sem compreender de fato o que está se passando. Quer puxar a criatura de volta para a faixa da normalidade, considerada tão prudente, tão sensata, tão boa,...Mas eis que a vida vibra e me cutuca, afirmando, à seu modo, que a prudência será o melhor até certo ponto. Que ponto é esse?, podemos nos perguntar. Não se sabe ao certo. A subjetividade começa a ter um peso maior do que a objetividade. O interior começa a deslizar mais. O exterior, a engessar. E voilà! Adentra-se num campo dominado por uma lógica diferente, apenas tratada de forma artística, informal, esporádica, mística pelo ser humano deste mundo. A Ciência, a (nossa) lógica, os métodos formais, não dão um passo em direção a esse novo terreno. Relegam à arte, ao misticisimo, ao amor - e até mesmo ao setor da ciência que denominamos humanidades. 

A ciência cinde-se quando passa-se do mundo bio-físico ao mundo psíquico-social. Não considera mais como escopo, uma vez que entra uma variável chamada "livre-arbítrio", de complexidade tão grande que nem sequer os poderosos métodos lógico-matemáticos podem criar representações adequadas. Estamos diante das limitações do suprassumo da Ciência: a matemática. Ela deixa de ser ferramenta-protagonista para ser ferramenta-auxiliar. E aí a pergunta nos invade: quem seria a nova ferramenta-protagonista? Beira-se um abismo que não conseguimos superar - com a mentalidade presente. Urge a gênese de novos métodos e ferramentas. Mas estes só podem ser concebidos por um novo Ser. 

Que Ser é esse?

Cristo, vértice do conhecimento e do sentimento, pode dar-nos algumas pistas. Sua passagem pela Terra alterou algumas almas como Pedro e João (os apóstolos). Mas outros, igualmente conectados com a essência crística, puderam realizar trabalho tão ou mais potente do que aqueles que viram a essência crística encarnada no personagem humano de Jesus. Isso é potência. Isso é intuição. Paulo de Tarso, Francisco de Assis, Pietro Ubaldi - dentre outros - tiveram essa capacidade hiper-psíquica e compilaram os ensinamentos, em sua essência. Os modernos, com o mesmo espírito místico, re-compilaram de forma moderna, adaptando os conceitos aos tempos atuais, sem no entanto abandonar o sublime que permeia a escrita. A Grande Síntese revestiu o Sagrado com a couraça da Ciência, gerando uma obra que une Ciência e Espírito, de uma forma que ninguém é capaz de desprezar. Vê-se isso no volume Comentários [2] - compilação de opiniões diversas sobre as obras transcritas por Ubaldi. 

Disse tudo isso para puxar o(a) leitor(a) a um campo em que ele queira ser mais do que isso. Convido-o a atravessar o no campo da pesquisa e da reflexão. E com isso colocar o pé no mundo do sentimento e aplicação dos conceitos. 

De nada servem estes escritos se não foram escritos com sentimento de ascensão desesperador. As palavras são tão mais cadáveres quanto mais exprimem conceitos elevados. O ponto de contato entre Erudição e Sagrado só pode ser um não-campo. Uma captação de conceitos elevados, livres, para fixá-los no terreno do mundo, aprisionando-os na forma, nos vocábulos, nas teorias e métodos. O misticismo é traduzido pobremente, para que o mundo tenha uma ideia do que se trata. Não estamos diante de mera erudição ou distração. O obstáculo que se antepõe entre nossa alma e a tão almejada felicidade perpétua é a incapacidade de nos sintonizarmos com vibrações de alta frequência, que exigem um estado de permanente tensão e controle da mesma. Apenas um grau de consciência capaz de superar o senso de prudência tem chances de conquistar uma nova forma de vida. Isso admitimos do fundo de nossos corações. Mas paramos por aí. Os místicos, os heróis e os gênios que deem o passo crucial. 

A humanidade é um amontoado de seres, como o universo determinístico do átomo. Mas estes possuem qualidades diversas. O ponto é "livre-arbítrio", que é uma liberdade advinda do despertar do espírito na forma de psiquismo. Com ele começamos a superar a dimensão espacial, típica da matéria, nos tornando senhores dela ao invés de simples servos de suas leis. Usamo as leis físicas para cumprir leis mais elevadas, concebidas pela mente, indo além da repetição férrea. Mas essas tentativas, ao mesmo tempo que são liberdade, implicam em responsabilidade e (consequente) perigo. Os métodos da mente - isto é, da ciência, da razão - são lentos, por tentativa e erro. Sistematizações geram métodos, que necessitam de ferramentas, que por sua vez estimulam a mente a usar as teorias já existentes para desenvolver. Somos diversos. O homem atravessa um deserto árido que se expande até atingir uma amplitude que desperta o senso de orientação. Assim, da análise multiplicadora de divergências passa-se à síntese unificadora das mesmas [3].
Interconexão é condição necessária para criar massa
crítica. As quantidades devem ser ordenadas e se
auxiliarem. "O todo é maior que a soma das partes"
A massa crítica, em termos humano-coletivo, é a quantidade de almas mínima necessária para atingir um processo autossustentado. Um processo de transformação. Mas quantidade em si não basta, como no mundo atômico. Entra o fator sistêmico de interconexão. Sem ele não é possível explicar certas coisas, como a lentidão das almas justas e sinceras em imprimir suas ideias e métodos no mundo.

Imaginemos que haja uma quantidade suficiente de pessoas conscientes para fazer força tanto para abalar a estrutura do modelo atual, acelerando seu fim, quanto para criar uma nova estrutura (lógica) que possibilite uma convivência minimamente harmônica na espécie. De nada adianta possuir essa quantidade se as interconexões entre estas (irmanadas pelo espírito) é fraca. Essa fraqueza pode ser justamente devido à configuração do mundo atual. Podemos ter uma afinidade muito grande com uma pessoa que não pertença à nossa classe social ou tenha uma ocupação muito diferente (local, horários, etc). O contato será mínimo. O intercâmbio de ideias também. Criar espaços de convivência que façam brotar essa interação é dever de algumas instituições - e proposta de outras. Mas esse dever é pouco cumprido. Trata-se do espaço público, com liberdade. Se as pessoas conseguirem atingir conexões (relações) intensas, sinceras e duradouras, forma-se o núcleo angelical que permite o progresso. Se essas conexões são difíceis, nada nos impede de apresentar essa ideia sempre que possível, seja em nossas profissões, em nossos blogs, em nossos papos, com nossa família, em nossas pesquisas. Há possibilidades sim. É um caminho árduo, em que vive-se uma vida sem colher nada. Mas a consciência se torna mais leve a cada ano. A sensação de dever cumprido é ímpar. O inútil, por vezes, se mostra útil com o progredir do tempo. Não se sabe se o que se fez adicionou ou não - só se sente bem ou não por fazê-lo, independente do que o mundo vê ou não. Estamos nos antípodas do mundo.

Até hoje o mundo não conheceu um processo revolucionário consciente. Mas esse é o futuro. A força de dizer "não" ao que lhe é apresentado, de todas formas, como certo (para a economia se manter, para as famílias crescerem, para você conquistar "o que deseja") é esmagadora quando é dita com sinceridade e determinação. Já se viu essa potência na vida pública de Cristo, do Santo de Assis, de Gandhi e de inúmeros místicos, gênios e estadistas. O mundo, com sua psicologia, quer um grito de "não" ao sofrimento individual. Mas sua lógica cria sofrimento coletivo, que transborda nas vidas de cada indivíduo como avalanche de infernais infestações de inutilidades. Consumo ilimitado; falatório incessante; prazeres intensos; gozo atrás de gozo. E para quem não consegue, oferece-se ódio a um segmento. Esse circuito, se não for quebrado no interior, jamais será superado. 

Trata-se de atitude firme e permanente. Independentemente de sua posição hierárquica, pouco pode ser feito. Deve-se: (1) conscientizar; (2) adquirir atitude firme; (3) difundir a visão, aberto para críticas e dúvidas; (4) buscar meios de ligação; (5) formar núcleos cada vez mais ousados. A ousadia buscada é inteligente [4], orientada por forte sentimento de possibilidades. Superam-se os limites presentes para reforçar a linha da História com a marca das impossibilidades possíveis.

Escrevo esse ensaio em momento de tempestade interior. As perspectivas são as piores. Não por males individuais, auto-causados. Mas males coletivos da humanidade, que hoje, passando por purificação, deve expiar todas dores acumuladas. Processo sem o qual passa-se para um mundo de regeneração. E a dor será intensa, tanto para as almas demoníacas quanto para as almas angelicais. Não há nada a fazer a não ser suportar o peso da cruz. A humanidade assim deve cumprir seu destino.

Os Santos veem ao mundo mas sofrem. Assim como as almas atrasadas. Porque os males coletivos atingem todos. E enquanto não houver um único inconsciente na face da Terra, ainda haverá justos sofrendo. Não basta você, por si só, viver de forma consciente, se traduzindo em eficiência (no consumo), ponderação (na fala), orientação (nos estudos e pesquisa), discernimento (no trabalho) e diálogo (na família). Os golpes ainda virão - e serão muitos, dilacerantes. 

Vivemos atualmente num mundo no qual as capacidades econômicas produtivas (bens e serviços) são capazes de atender plenamente requisitos humanitários (erradicação da fome, doenças infecto-contagiosas, educação de qualidade universal, moradia, saneamento, aquecimento) elaborados em meados do século passado (ONU). Economistas renomados sem prisão mental ideológica já afirmam que o Brasil tem condições de eliminar a miséria [5]. A questão é a lógica que constrói a circulação de bens e serviços. Ela está orientada para lucro e ilusão, em larga medida. Isso trava os objetivos centrais de uma humanidade em busca de harmonia. É justamente nossa neutralidade face a essas questões que permite a perpetuação de um modelo excludente, que gera crises constantes, que são canalizadas para os mais vulneráveis. Isso só muda com atitude diversa.

Muitos já sabem, em linhas gerais, o caminho. Devemos buscar meios para unir essas visões. Espalhar a ideia já um começo, assim como viver plenamente de acordo com princípios fundamentais - mesmo que isso implique golpes do mundo. Se alguém souber como posso dar um passo a mais, me avise.


Observações e referências

[1] Recomenda-se o estudo aprofundado dos conceitos contido na Obra de Ubaldi.
[2] Trata-se de um volume que reúne opiniões e impressões de especialistas dos diversos ramos do conhecimento humano, desde Albert Einstein e Enrico Fermi, até Monteiro Lobato, Carlos Pastorino, Ernesto Bozzano e outras grandes almas da ciência, da metapsíquica, da religião, da linguística, do governo, da arte e da filosofia.
[3]https://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2015/03/sistematizacao-do-processo-evolutivo_27.html?m=0
[4] http://leonardoleiteoliva.blogspot.com.br/2013/12/aconquista-de-aqaba-importancia-da.html
[5] https://www.youtube.com/watch?v=j3z8ApTrxGc